Olá

Bem-vindo a este blog, fico muito feliz com a sua visita. Receber amigos é algo que nos estimula e realiza.


sexta-feira, 19 de outubro de 2012

É preciso coragem



"...Verdadeiramente, aquele que olha o espelho da água vê em primeiro lugar sua própria imagem. Quem caminha em direção a si mesmo corre o risco do encontro consigo mesmo. O espelho não lisonjeia, mostrando fiel­mente o que quer que nele se olhe; ou seja, aquela face que nunca mostra­mos ao mundo, porque a encobrimos com 'A persona', a máscara do ator. Mas o espelho está por detrás da máscara e mostra a face verdadeira.
       Esta é a primeira prova de coragem no caminho interior, uma prova que basta para afugentar a maioria, pois o encontro consigo mesmo per­tence às coisas desagradáveis que evitamos, enquanto pudermos projetar o negativo à nossa volta. Se formos capazes de ver nossa própria sombra, e suportá-la, sabendo que existe, só teríamos resolvido uma pequena par­te do problema".
                                                                      (C.G. Jung - Os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo)

Eu sei que não é fácil. Simplesmente, não se pode, de uma hora para outra, admitir aquilo que somos. É preciso coragem!
Não ser perfeito, não ser o mais belo, não ser um gênio em qualquer área da vida... Não ser cem por cento aceito pela maioria se torna uma dor, um sofrimento. Criamos em nós uma rigidez absurda que tolda nossa visão do real e passamos a viver de anseios irrealizáveis, criticando, nos outros, o que não aceitamos em nós.
Desejamos sempre aquilo que está distante, como se a felicidade pudesse ali estar; como se toda a nossa existência dependesse dessa conquista. Mas esse é um desejo sem medida, que não se aplaca, pois, alcançando o objeto de cobiça voltamos a atenção para outra direção.
É de nossa natureza não se satisfazer, viver nessa eterna insatisfação que ao mesmo tempo nos impulsiona e nos angustia.
É de nossa natureza o medo do fim, do nada, da perda. Queremos acumular para não faltar: acumular bens materiais e dons espirituais. Queremos a aceitação e o reconhecimento para nos confirmar como seres existentes. É a falta e não a presença que movimenta a roda da vida. Na incessante busca pela completude percebemos nossa fragilidade e criamos as máscaras que nos ajudarão a enfrentar os desafios, e as atarraxamos tão fortemente que perdemos a noção do Eu, ligados que estamos na presença do outro. Desconhecemos nossa essência, nossos valores. Perdemos-nos no automatismo, na inflexibilidade e no despotismo que mantém submissos nossos sonhos e ilusões.
Realmente não nos conhecemos, vivemos como estranhos que não se respeitam. Quebramos as regras da auto-estima, criando imagens distorcidas, fragilizadas e carentes.
Enclausuramos nossa criatividade na vontade do outro, adotamos suas crenças limitantes como sendo nossas e deixamos de ser felizes por temermos rasgar os véus interiores e espantar os fantasmas que nos mantêm cativos.
Descobrir-se é um rito de coragem, necessário, importante. Descobrir-se pode ser um doloroso ato de crescimento, mas sempre um voo para a liberdade. É a expansão da alma, a descoberta de ser alguém, único, com caminhos e desempenhos próprios. Dono e responsável por seu próprio destino.

Nenhum comentário: