Olá

Bem-vindo a este blog, fico muito feliz com a sua visita. Receber amigos é algo que nos estimula e realiza.


quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

A fragilidade humana

Abandonada pela mãe, menina é criada por cachorros Uma menina de 3 anos foi encontrada por funcionários de serviço de assistência social da cidade de Ufa (Rússia) sendo criada por cães.Madina, que estava nua, foi abandonada em casa pela mãe alcoólatra.
Madina só conhece duas palavras: 'sim' e 'não'. Ela apenas engatinha, imitando os cachorros, e, quando pessoas se aproximam dela, a menina rosna como um cão.
Segundo a investigação, Anna, a mãe negligente, comia à mesa enquanto Madina disputava comida no chão com os cachorros. A mulher constantemente desaparecia para beber na rua.
"A menina é angelical, mas foi privada de amor e carinho, exceto dos cachorros", contou uma assistente social que está cuidando do caso.
"Os cachorros se tornaram os melhores amigos dela e a esquentavam nos dias mais frios", acrescentou. (Fonte: O Globo, Enviado por Fernando Moreira - 2/3/2009- 11:13)
 Ao ler o texto, reproduzido acima, fiquei pensando na fragilidade do orgulhoso ser humano. Dotado de inteligência, de poder de raciocínio que o levou da descoberta do fogo ao uso de avançada tecnologia, da inseminação ín vitro à clonagem, este ser dividido por razões étnicas, sócio- culturais, morais ou éticas por vezes causa espanto.
Com toda essa potencialidade ainda é um animal cujo filhote é frágil e indefeso, precisa ser cuidado por anos a fio e só começa a andar depois de aproximadamente 10 meses. É geralmente a mãe que lhe dá o alimento, cuida de sua higiene, o mantém aquecido...
Aprende a falar, a andar, cantar, correr,porque lhe ensinam, porque ouve seus iguais, interioriza as imagos, assimila seus exemplos.
Aristóteles( 384 a.C. - 322 a.C), já dizia que o homem é naturalmente um animal social e, hoje, a ciência o reconhece como um ser biopsicossocial, significando que além de uma biologia própria, o homem é dotado de uma psique que o leva a ser, emocionalmente, aquele que produz e sofre uma ação ou impressão, e um aspecto social pois que necessita do outro para viver. Segundo Karl Marx, "não é a consciência do homem que lhe determina o ser, mas, ao contrário, o seu ser social que lhe determina a consciência".
Com tudo isso, não se pode deixar de lado a relevância da estrutura familiar na vida do indivíduo. Não é apenas o gerar e deixar nascer, mas o amparo emocional, acompanhar o desenvolvimento cognitivo, atender às necessidades.
Essa criatura que vem ao mundo sem meios de se defender ou se manter, que tinha, por certo, nas batidas do coração da mãe, no aconchego do útero materno o seu porto seguro, se vê de repente molhado, sujo, com frio, fome e dor.
Para Melanie Klein[1], todas essas mudanças são sentidas pela criança como uma agressão e passa a ter medo da perseguição de um objeto tanto interno quanto externo. É o que ela chama de Ansiedade Persecutória, que irá dificultar a capacidade de síntese da criança, ou seja, ela não conseguirá perceber o objeto em sua inteireza, haverá sempre o predomínio de um único sentimento. Terá a idéia de que o objeto é, por exemplo, todo mau.
Esse ambiente primário de vinculações arcaicas entre a criança e o objeto é o que o Psicanalista Donald Winnicott[2] chamou de Ambiente Mãe, onde a criança desenvolve a sua psicoafetividade. Para ele, nos primeiros estágios, não existe a mãe e o bebê. Existe apenas a mãe, porque aquilo que a mãe é o bebê também será, ou seja, o bebê absorve e se vincula a tudo o que acontece dentro do ambiente materno. Winnicott assegura que se a criança se desvincula de forma prematura está destinada a psicose, a desagregação do ego.
É nesse período, com a existência absoluta da mãe, que a criança vai ter estimulado os seus pensamentos onipotentes – a mãe atende a todos os seus apelos. Isso é importante porque vai infundir internamente na criança o sentimento de auto-suficiência, formador de uma imagem coesa e forte de si mesma. Pouco a pouco a mãe "sábia" auxilia a criança a ter a noção de existência pessoal e mais adiante essa criança reconhecerá um outro que não a mãe: o pai.
E com a imagem do pai a implantação do superego, uma força controladora que tornará o indivíduo um ser social. Assim, a formação de um superego não adequado levará o indivíduo a ter uma certa inclinação ao crime, à delinqüência. Em contra partida, um superego rígido – interiorização do castrador, segundo Freud, poderá levar ao masoquismo. Portanto, o que vai montar um superego rígido ou não é exatamente a qualidade relacional.
Um relacionamento baseado no respeito, no amor e no cuidado físico-mental vai gerar na criança um sentimento de gratidão que impedirá a destrutividade do ego.
Retornando à notícia sobre a criança russa, é inevitável pensar no seu desenvolvimento.
Uma menina de três anos que não aprendeu a andar, a falar e que rosna a proximidade de estranhos... Uma criança que teve cães como imagens essenciais.
É lícito perguntar: que tipo de adulto se tornará? Que seqüelas surgirão no decorrer de seu crescimento? Que espécie de valores estão sendo agregados?
Enquanto o animal tido como irracional, vigia de longe sua cria e, algumas vezes adota como seus filhotes de outras espécies, o homem, criatura inteligente do universo, expõe suas indefesas crianças às agruras da vida.
Essa noticia é um retrato triste, porém determinante de que o orgulhoso ser humano, que já sabe clonar, ainda não aprendeu a amar.

[1] Melanie Klein (Viena, 30/03/1882 - Londres, 22/10/1960) – Psicanalista austríaca.
[2] Donald Winnicott (Inglaterra, 1886 a 1971) – pesquisou mais de 60 mil crianças, saindo pouco a pouco da pediatria para a psicanálise.

5 comentários:

Kellen disse...

Nossa! essa história é bonita e assustadora ao mesmo tempo. Por causa do amor dos cães com a menina, e falta da mãe. Meu Deus tenha misericordia dessa criança. Talvez ela vai o ser humano como bicho, e o bicho como gente..

Abraço
Kellen

satélite abduzido disse...

É literalmente estarrecedor ler um absurdo destes por mais pitoresco que seja esta 'relação maternal canina' da menino com os cachorros. Credo! Deus ilumine este mundo que tem serer tão perdidos. Olha, isto é apenas uma página dos contos de horror que ocorrem na vida destas crianças. Quem trabalha no Juizado da Infância e Juventude é um exemplo de conhecer centenas de histórias tristes na vida destes anjos inocentes... Um trauma que só Deus faria um milagre. é uma chaga para o resto da vida.

satélite abduzido disse...

É literalmente estarrecedor ler um absurdo destes por mais pitoresco que seja esta 'relação maternal canina' da menino com os cachorros. Credo! Deus ilumine este mundo que tem serer tão perdidos. Olha, isto é apenas uma página dos contos de horror que ocorrem na vida destas crianças. Quem trabalha no Juizado da Infância e Juventude é um exemplo de conhecer centenas de histórias tristes na vida destes anjos inocentes... Um trauma que só Deus faria um milagre. é uma chaga para o resto da vida.

Principe Encantado disse...

Amiga pouco comentarei, maravilhoso seu texto.
Abraços forte

JORNALISMO ANTENADO disse...

Nossa minha amiga Isabel, estou passada aqui com essa notícia. Como a inversão de valores atingiu a humanidade meu Deus... impensável imaginar uma mãe abandonando seu filho a própria sorte e infelizmente esses casos já são recorrentes. Nessa matéria tem o agravante da figura materna abandonar a criança com os cães que acabam assumindo a função de "criar" a menina. Mesmo eu que amo os animais em especial os cães tenho consciência que esse contato foi prejudicial a menina. Como você mesmo tão brilhantemente descreveu em seus apontamentos psico-filosóficos, a criança via formando seu psiquê ao longo do convivio com seus iguais e mais próximos,ou seja, a figura materna e paterna antes de ser influenciado pelo que se passa a seu redor.
É absurdo crer que nos dias de hoje existam pessoas que tem esse tipo de atitude. Olha Isabel, não culpo a pobreza quando fico sabendo de fatos assim, pois seria colocar panos quentes numa situação de desamor.Como você mesmo disse os homens aprenderam a clonar antes de aprenderem a amar verdadeiramente.
Ps: sem apologia a ciência , acredito que a clonagem seja importante sim para o futuro , mais Deus nos habilitou de inteligência não apenas com essa finalidade.
Belíssimo texto, não me ative a comentar a parte filosófica por não me considerar com propriedade para tal.Parabéns.
Beijos miga!
Márcia Canêdo